mt
posted Há 7 horas  with 108 notas  via allinpartsandpieces

❝ E a gente não tem mais nada pra fazer a não ser dizer que tá tudo bem. Porque vai passar, passa. Só que antes de passar maltrata. E, entenda, a pior dor é aquela que ninguém vê. ❞

Clarissa Corrêa  (via desembarcou)
posted Há 7 horas  with 67.663 notas  via telegafrias  source os-bons-nunca-morrem

❝ Você tem medo de dar certo em algum momento, porque o seu forte é dar errado. ❞

Robin and Stubb.   (via autorias)
posted Há 7 horas  with 10.933 notas  via trecho-de-livros  source nevuei

❝ Parado na escadaria da casa de Magnus, Alec olhou para o nome escrito abaixo da campainha na parede. BANE. O nome não parecia se adequar a Magnus, ele pensou, não agora que ele o conhecia. Isso se você pudesse dizer que conhecia alguém quando foi uma vez a uma de suas festas, e então sua vida foi salva depois, mas ele não ficou por perto para ser agradecido. Mas o nome Magnus Bane o fazia pensar em uma pessoa alta, com ombros enormes e um traje roxo de feiticeiro, conjurando fogo e luz. Não o próprio Magnus, que parecia mais uma junção de pantera com um elfo louco.
Alec respirou fundo, e deixou o ar sair. Bem, já que ele já fora tão longe… Ele deveria seguir em frente. A lâmpada desprotegida pendurada acima lançava longas sombras conforme ele se aproximava para pressionar a campainha.
Um momento depois uma voz ecoou através da parede:
- QUEM CONVOCA O ALTO FEITICEIRO?
- Er… – Alec disse – Sou eu. Quero dizer, Alec Lightwood.
Houve uma espécie de silêncio, como se até o pátio de entrada estivesse surpreso. E então um silvo, e a segunda porta se abriu, o deixando ficar para fora na escadaria. Ele subiu pelas escadas que rangiam, para dentro da escuridão, que cheirava como pizza e poeira. O patamar do segundo andar estava iluminado, a porta mais distante estava aberta. Magnus Bane estava encostado na entrada.
Comparado com a primeira vez que Alec o viu, ele parecia bastante comum. Seu cabelo preto estava arrepiado, e ele parecia estar sonolento; sua face, mesmo com seus olhos de gato, era bastante jovem. Ele usava uma camiseta preta com as palavras “UM MILHÃO DE DÓLARES” e moedas de ouro pelo peito, e jeans que ficavam abaixo do quadril, baixo o suficiente para que Alec desviasse o olhar, olhando para seus sapatos. O que era entediante.
- Alexander Lightwood – disse Magnus. Ele tinha um leve traço de um sotaque, algo que Alec não podia definir, que deixava suas vogais com um tom de música – A que devo a honra?
Alec olhou para trás de Magnus:
- Você tem… companhia?
Magnus cruzou os braços, o que realçou seus bíceps, e se encostou no batente da porta.
- Por que você quer saber?
- Eu esperava que eu pudesse entrar e conversar com você.
- Hmmm… – Os olhos de Magnus o analisaram de cima a baixo. Eles realmente brilhavam no escuro, como olhos de um gato – Bem, então está bem.
Ele virou abruptamente e desapareceu no apartamento; depois de um momento de espanto, Alec o seguiu.
O loft parecia diferente sem as centenas de corpos agitados. Era – bem, não comum, mas o tipo de espaço que alguém poderia viver. Como a maioria dos lofts, tinha um cômodo grande central, separado em “cômodos” pelo agrupamento dos móveis. Havia um grupo de sofás e mesas à direita, os quais Magnus apontou para Alec. Alec se sentou no sofá de veludo dourado, com elegantes arabescos de madeira nos braços.
- Você gostaria de chá? – Magnus Perguntou. Ele estava sentado em uma cadeira, mas se esticou em um pufe, suas longas pernas em frente ao seu corpo.
Alec acenou com a cabeça. Ele se sentia incapaz de dizer algo. Algo interessante ou inteligente, na verdade. Era o Jace que dizia coisas interessantes e inteligentes. Ele era parabatai do Jace e essa era toda a glória que ele precisava ou queria: como ser uma estrela negra para a supernova de alguém. Mas esse era um lugar que Jace não poderia ir com ele, algo com que Jace não poderia ajudá-lo.
- Claro.
Sua mão ficou quente de repente. Ele olhou para baixo e percebeu que estava segurando um copo de papel do Joe, Arte do Café. Tinha cheiro de chai. Ele pulou, e mal escapou de derramar o conteúdo nele mesmo.
- Pelo Anjo…
- Eu AMO essa expressão – disse Magnus - É tão exótica.
Alec olhou para ele:
- Você roubou esse chá?
Magnus ignorou a pergunta.
- Então – ele disse – Por que você está aqui?
Alec deu um gole no chá roubado.
- Eu queria te agradecer – ele disse, quando o ar veio para seus pulmões – Por ter salvo minha vida.
Magnus se inclinou para trás com a cabeça nas mãos. Sua camiseta subiu e mostrou sua barriga lisa, e nesse momento Alec não tinha nenhum outro lugar para olhar.
- Você queria me agradecer.
- Você salvou minha vida – Alec disse, novamente – Mas eu estava delirando, e eu não acho que eu te agradeci de verdade. Eu sei que você não tinha que fazer isso. Então, obrigado.
As sobrancelhas de Magnus desapareceram na linha de seu cabelo.
- Você está… agradecido?
Alec posou seu chá na mesa.
- Talvez eu deva ir embora.
Magnus se endireitou.
- Após ter vindo tão longe? Lá do Brooklyn? Apenas para me agradecer? – Ele estava sorrindo – Esse seria um esforço perdido.
Ele se aproximou e colocou sua mão na bochecha de Alec, seu dedão acariciando o maxilar. Seu toque tinha a sensação de fogo. Alec congelou em surpresa – surpresa pelo gesto, e surpresa pelo efeito que estava tendo sobre ele. Os olhos de Magnus se estreitaram, e ele abaixou sua mão.
- Huh… – Ele disse.
- O que? – Alec estava de repente preocupado que tinha feito algo errado – O que foi?
- Você é só… – Uma sombra se moveu atrás de Magnus, com uma agilidade fluida, o feiticeiro girou o corpo e pegou do chão um pequeno gato malhado de cinza e branco. O gato se enrolou na dobra de seu braço e olhou para o Alec com um olhar desconfiado. Agora dois pares de olhos verdes dourados estavam postos sobre ele sombriamente – Não era o que estava esperando.
- De um Caçador de Sombras?
- De um Lightwood.
- Eu não sabia que você conhecia minha família tão bem.
- Eu conheço sua família por centenas de anos – Os olhos de Magnus examinaram seu rosto – Agora, sua irmã, ela é uma Lightwood. Você…
- Ela disse que você gostava de mim.
- O quê?
- Izzy. Minha irmã. Ela disse que gostava de mim. Gostar GOSTAR.
- Gostar GOSTAR? – Magnus escondeu seu sorriso nos pelos do gato – Me desculpe. Nós temos doze anos agora? Eu não me lembro de ter dito algo para a Isabelle…
- Jace disse isso também – Alec estava atenuado; era a única maneira que ele sabia ser – Que você gosta de mim. Que quando ele subiu aqui, você pensou que ele era eu, e que você estava desapontando que era ele. Isso nunca acontence.
- Nunca? Bem, deveria.
Alec estava surpreso.
- Não… quer dizer… Jace, ele é… o Jace!
- Ele é problema – disse Magnus – Mas você não tem malícia alguma. O que, em um Lightwood, é um enigma. Vocês sempre foram um tipo de família que sempre aparece, como Borgias de baixa renda. Mas não há mentira em seu rosto. Eu sinto que tudo o que você diz é direto.
Alec olhou para a frente:
- Você quer sair comigo?
Magnus piscou.
- Está vendo, é isso o que eu disse. Direto.
Alec mordeu seu lábio e não disse nada.
- Por que você quer sair comigo? – Magnus perguntou. Ele estava acariciando a cabeça do Presidente Miau, seus longos dedos dobrando para baixo as orelhas do gato – Não que eu não seja altamente desejável, mas a forma que você perguntou, parece que você estava tendo uma espécie de…
- Eu apenas quero – Alec disse – E eu pensei que você gostasse de mim, então você diria sim, e eu poderia tentar… Quer dizer, nós poderíamos tentar… – Ele colocou o rosto em suas mãos. – Talvez isso tenha sido um erro.
A voz de Magnus era gentil.
- Alguém sabe que você é gay?
Alec levantou a cabeça; aparentemente ele estava respirando bastante depressa, como se ele tivesse participado de uma corrida. Mas o que ele poderia fazer? Negar? Quando ele viera aqui para fazer exatamente o oposto?
- Clary – ele disse, roucamente – O que foi… Foi um acidente. E a Izzy, mas ela nunca dissera nada.
- Seus pais não? Jace?
Alec pensou no Jace sabendo, e distanciou o pensamento, rapidamente.
- Não. Não, eu não quero que eles saibam. Especialmente o Jace.
- Acho que você poderia contar para ele – Magnus acariciou o Presidente Miau abaixo do queixo – Era como se ele estivesse tentando procurar as peças de um quebra-cabeças quando ele achou que você iria morrer. Ele se importa…
- Eu prefiro que não. – Alec ainda estava respirando rapidamente. Ele começou a esfregar o punho em seu jeans – Eu nunca estive em um encontro – ele disse com uma voz baixa – Nunca beijei ninguém. Nunca. Izzy disse que você gostava de mim, e eu pensei…
- Eu não sou insensível. Mas você GOSTA de mim? Por que essa coisa de ser gay não significa que você tem que se jogar pra cima de qualquer garoto, que estará tudo bem porque ele não é uma garota. Ainda há pessoas que você gosta, e pessoas que você não gosta.
Alec pensou em sua cama no Instituto, de estar delirando e em dor, e sob o efeito do veneno, quando Magnus chegou. Ele mal o reconhecera. Ele estava quase certo que ele estivera gritando por seus pais, por Jace, por Izzy, mas sua voz só saía em um sussurro. Ele se lembrou das mãos de Magnus sobre ele, seus dedos gelados e gentis. Ele se lembrou de ter segurado com força o pulso de Magnus, por horas e horas, até mesmo após a dor ter passado, e ele saber que ficaria tudo bem. Ele se lembrou de ter visto o rosto de Magnus sob a luz do sol nascente, o dourado dos raios de sol produzindo faíscas douradas em seus olhos, e lembrou de ter pensando o quão estranhamente bonito aquilo era, com a contemplação e beleza de seus olhos de gato.
- Sim – Alec disse – Eu gosto de você.
Seu olhar se encontrou ao de Magnus. O feiticeiro estava olhando para ele com uma espécie de mistura de curiosidade, afeição e perplexidade.
- É tão estranho – Magnus disse – A genética. Seus olhos, essa cor – Ele parou e balançou a cabeça.
- Os Lightwoods que você conheceu não tinham olhos azuis?
- Monstros dos olhos verdes – disse Magnus, e sorriu. Ele colocou o Presidente Miau no chão, e o gato se moveu em direção ao Alec, e se esfregou em sua perna – O Presidente Miau gosta de você.
- Isso é bom?
- Eu nunca saí com alguém que meu gato não gostasse – Magnus disse com facilidade, e levantou – Então está combinando para Sexta à noite?
Uma grande onda de alívio passou por Alec.
- Mesmo? Você quer se encontrar comigo?
Magnus balançou a cabeça.
- Você tem que parar de se fazer de difícil, Alexander. Isso complica as coisas. – Ele sorriu. Ele tinha um sorriso como o de Jace. Não que eles se parecessem, mas era um tipo de sorriso que iluminava todo o seu rosto – Vamos, eu te levo para a porta.
Alec foi atrás de Magnus em direção à porta da frente, sentindo como se um peso tivesse sido tirado de seus ombros, um peso que ele nem sabia que estava carregando. Claro que ele teria que inventar uma desculpa para onde ele iria na sexta à noite. Algo que Jace não iria querer participar, algo que ele precisava fazer sozinho. Ou então ele poderia fingir que estava doente, e então fugir. Ele estava tão perdido em seus pensamentos que quase tropeçou na porta, onde o Magnus estava encostado, olhando para ele com seus olhos estreitos.
- O que foi? – Alec disse.
- Nunca beijou ninguém? – Magnus disse – Ninguém mesmo?
- Não – disse Alec, esperando que isso não o desqualificasse para ser namorável – Não um beijo de verdade…
- Venha aqui.
Magnus o pegou pelo ombro e o aproximou de si. Por um momento, Alec estava totalmente desorientado pelo sentimento de estar tão próximo de alguém, o tipo de pessoa que ele queria estar perto há muito tempo. Magnus era alto e esguio, mas não magro; seu corpo era firme, seus braços levemente musculosos porém fortes; ele era aproximadamente três centímetros mais alto que Alec, o que raramente acontecia, e eles se encaixavam perfeitamente. Os dedos de Magnus estavam em seu queixo, levantando seu rosto, e eles estavam se beijando. Alec ouviu uma pequena arfada vindo de sua própria garganta, e então suas bocas estavam pressionadas uma contra a outra, em uma espécie de urgência controlada. Magnus, Alec pensou, um pouco desorientado, realmente sabia o que estava fazendo. Seus lábios eram macios, e ele partia os de Alec com destreza, explorando sua boca: uma sinfonia de lábios, dentes, língua, cada movimento acordando uma ligação nervosa que Alec nunca soubera que tinha.
Ele encontrou a cintura de Magnus com seus dedos, tocando a faixa de pele nua que ele estava tentando evitar olhar antes, e deslizou suas mãos para cima, por baixo da camiseta de Magnus. Magnus ficou tenso por um momento pela surpresa, e então relaxou, suas mãos pelos braços de Alec, sobre seu peito, sua cintura, encontrando o passador de cinto do jeans de Alec e usando para trazer ele mais para perto. Sua boca deixou a de Alec, e Alec sentiu a pressão quente de seus lábios em seu próprio pescoço, onde a pele era tão sensível que parecia estar diretamente ligado aos ossos de suas pernas, que estavam prestes a ceder. Antes que ele caísse no chão, Magnus o soltou. Seus olhos brilhavam, assim como sua boca.
- Agora você foi beijado – ele disse, se virou e abriu a porta. – Te vejo na sexta?
Alec limpou a garganta. Ele se sentiu tonto, mas também se sentia vivo – sangue correndo em suas veias com um trânsito a toda velocidade, tudo parecendo de repente quase que com cores vivas demais. Conforme ele passou pela porta, ele se virou e olhou para Magnus, que o estava assistindo com admiração. Alec avançou e pegou a frente da camiseta de Magnus com as mãos e puxou o feiticeiro em sua direção. Magnus pisou em falso, e Alec o beijou, forte e rápido e desajeitadamente e sem prática alguma, mas com tudo o que ele tinha. Ele pressionou Magnus contra ele, sua própria mão entre eles, e sentiu o coração de Magnus batendo em seu peito.
Ele encerrou o beijo, e deu um passo para trás.
- Sexta-feira – ele disse, e deixou Magnus ir.
Ele se virou, em direção à saída, Magnus olhando ele por trás. O feiticeiro cruzou os braços sobre sua camiseta – amassada onde Alec havia pegado – e balançou a cabeça, sorrindo.
- Lightwoods – Magnus disse – Eles sempre têm que ter a última palavra.
Ele fechou a porta atrás de si, e Alec desceu a escada, dois degraus por vez, seu sangue ainda cantando em seus ouvidos como música. ❞

Beijado: O Primeiro Beijo de Alec e Magnus (via trecho-de-livros)
posted Há 8 horas  with 159 notas  via trecho-de-livros
#* 

Chamber of Secrets book quotes

posted Há 8 horas  with 7.181 notas  via nevillles  source harrypotterdailly

nephilimdaily:

The Mortal Instruments: City of Bones was released one year ago today

posted Há 8 horas  with 993 notas  via nephilimdaily
#1 ano #e nada de CoA #'-' 

my Nick super fuck!

posted Há 8 horas  with 26 notas  via yourgrimm
posted Há 8 horas  with 16.822 notas  via coadmit  source R2--D2